terça-feira, 25 de julho de 2017

ECONOMIA NOSSA DE CADA DIA


      AS RAZÕES PARA O AUMENTO NOS IMPOSTO SOBRE COMBUSTÍVEIS E SEU IMPACTO
      Na última quarta-feira (20) o governo anunciou a assinatura do decreto 9,101, de aumento da alíquota do PIS/Confins sobre os combustíveis, que passava a vigorar de imediato, com o objetivo de fechar suas contas, mas que trará impacto na formação de custos e consequentemente no preço final em toda a cadeia produtiva.

   AS CONTAS DO GOVERNO
      O governo federal projetou arrecadar R$ 1,15 tri para suas despesas primárias (que são o total de suas despesas sem consideram o pagamento da dívida pública) e gastar próximo a R$ 1,29 tri com elas, ou seja, já assumiu um rombo de R$ 139 bi, para este ano de 2017.
Só para deixar claro, evidentemente que este rombo aumentará a dívida pública federal, que neste momento é de algo próximo a R$ 3,2 tri.

   NÃO ESTÃO FECHANDO
      Acontece que, em função da frustração de algumas receitas (por exemplo, a arrecadação tributária está inferior ao projeto em função ao projetado em função do baixo crescimento da economia), a matemática mostra que ainda faltarão R$ 18 bi para fechar esta conta.
O governo não pode descumprir a Lei Orçamentária Anual (LOA), sob o risco de perder também a credibilidade em sua equipe econômica.
Além disso, aprovar uma extensão no orçamento traria implicações na taxa de juros, no câmbio e no endividamento público, já suficientemente comprometido.

   EM QUE GASTA O GOVERNO
       As principais contas do governo com as contas primárias são com a Previdência ((R$ 562 bi); Pessoal (R$ 307 bi); Investimentos (R$ 148 bi); Saúde (R$ 125 bi); e Educação R$ 107bi)

   AS OPÇÕES PARA FECHAR AS CONTAS
      Pelo lado da despesa, a alternativa óbvia para que as contas fechem é não gastar mais do que foi acordado, mas isso o governo está com dificuldades de implementar.
Pelo lado da receita, conforme escrevi em coluna anterior (26 de junho), as alternativas são: a emissão da moeda, assumindo aumento da inflação; tomada de empréstimos, afetando diretamente a taxa de juros; e/ou aumento dos impostos, subtraindo ainda mais o dinamismo da economia.

   A ALTERNATIVA ESCOLHIDA
      Em função da possibilidade de implementação imediata, significando que, uma vez assinado e publicado o decreto, já passa a existir a arrecadação, o governo optou pelo aumento da alíquota do PIS/Cofins sobre os combustíveis.

      EM QUANTO AUMENTA
      A alíquota para a gasolina subirá de R$ 0,3816 par a R$ 0,7925 por litro, uma alta de R$ 0,41, que dará uma receita extra de R$ 5.191 bilhões.
No caso do diesel, o aumento será de R$ 0,2480 para R4 0, 4615 por litro ( 0,21), com arrecadação de R$ 3,962 bilhões.
Já o etanol subirá de R$ 0,12 para R$ 0,3272 por litro representando um reforço adicional de R$ 1,152 bilhão aos cofres públicos.
O total da arrecadação com este aumento de impostos, portanto, deve chegar a R$ 10,3 bi.

   E QUANTO AOS CORTES DE GASTOS
      Ainda insuficiente para cobrir o déficit projetado, o governo contingenciou (ou seja, bloqueou a utilização) de outros R$ 5,9 bi, pelo menos temporariamente, até que se confirmem receitas extraordinárias que estão por acontecer.

   O QUE IMPLICA PARA NÓS LONDRINENSES
      O valor médio no preço da gasolina praticado em Londrina em julho, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP) é de R$ 3,412 e caso todo aumento seja repassado para o consumidor final, pagaremos R$ 3,832, ou 12% de aumento.
Para encher um tanque de 45 litros o consumidor desembolsará R$ 19,40 a mais.
No caso do diesel, que na média é vendido a R$ 2,793, passaria a R$ 3,003, aumento de R$ 7,52%.
Já o etanol, vendido na média por R$ 2,417, passará a custar R$ 2,6243, aumento de 8,58%.

   E PARA A ECONOMIA COMO UM TODO

      Mesmo entendendo que existem razões para a adoção de medidas que aumentam os impostos a fim de fechar as contas públicas, é evidente que a conta será paga por nós consumidores.
O aumento no preço do combustível altera o preço de todos os produtos e serviços pois eleva o custo de produção.

   DE QUANTO É A CONTA
      Se considerarmos que o preço dos combustíveis representa algo como 14% na composição dos custos de produção e que o aumento final nas bombas seja de 7%, então teremos uma elevação de 0,5% sobre a inflação.
O impacto maior será provocado pelo aumento sobre a gasolina, que responderá por 0,4% enquanto que o aumento no diesel responderá por 0,1%.
Nosso alento é que a agricultura tem dado sua contribuição na redução da inflação, permitindo que o impacto deste aumento nos combustíveis seja menos dramático.



MUITO LONGE DO QUE É NECESSÁRIO



    Ressalta-se aqui que este aumento de imposto é medida desesperada unicamente no intuito de fechar as contas de 2017.
As reformas de que o País necessita ainda estão longe de serem implementadas. (FONTE: MARCOS J.G.RAMBALDUCCI professor doutor da UTFPT e consultor econômico da Acil –
economianossa@folhadelondrina.com.br página 4, coluna ECONOMIA NOSSA DE CADA DIA - por Marcos Rambalducci, FOLHA ECONOMIA & NEGÓCIOS, segunda-feira, 24 de julho de 2017, publicação do jornal FOLHA DE LONDRINA).

DIREITOS DAS CRIANÇAS


      Quase 200 países se comprometeram com a ONU (Organização das Nações Unidas) para cumprir, até 2030, 169 metas que visem o desenvolvimento e a erradicação da pobreza no mundo. São as chamadas “metas do milênio” ou ODMs (Objetivos de Desenvolvimento do Milênio). O Brasil é um desses países e o prazo para cumprir os compromissos termina em 2030. É possível acompanhar as ações que o país está desenvolvendo no sentido de alcançar os objetivos nos próximos 13 anos. A Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do adolescente faz esse acompanhamento e lança nesta terça-feira (25) um estudo que mostra se está havendo progressos importantes. A Folha de Londrina teve acesso à pesquisa “A criança e o Adolescente nos ODS: Marco zero dos principais indicadores brasileiros” e antecipa o que pode ser considerado o retrato atual da população de 0 a 18 anos. Entre os 17 objetivos de melhorias de índices sociais, a fundação Abrinq selecionou dez para acompanhar de perto, sendo que todos, de alguma forma, estão relacionados com a infância. O foco da entidade é a erradicação da pobreza, fome zero, boa saúde e bem-estar e igualdade de gênero. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad 2015), que aponta que 27% dos brasileiros vivem até com meio salário mínimo por mês. Esse percentual sobe para 40,2% em um recorte da população de 0 a 14 anos, ultrapassando a casa dos 60% de crianças e adolescentes em situação de pobreza em Estados como Alagoas, Maranhão, Ceará, Bahia e Pernambuco. O Paraná assim como os outros Estados da Região Sul aparece entre os Estados com as melhores situações no país, Por aqui, 15% da população vive com renda de até meio salário mínimo. Vencer a miséria é um desafio difícil. A crise econômica brasileira dos últimos anos dificulta ainda mais porque devolveu à Classe C muitas famílias que tinham melhorado de vida. É uma realidade crítica. Por isso, o Brasil precisa se preocupar mais com a garantia dos direitos e dos adolescentes. Países como Japão, Canadá e Finlândia mostram que investir em educação é um bom negócio. (OPINIÃO, página 2, terça-feira, 25 de julho de 2017, publicação do jornal FOLHA DE LONDRINA).   

segunda-feira, 24 de julho de 2017

EPIFANIA

     O que você sabe sobre um termo bastante em uso ultimamente? Você o ouvirá em filmes, séries de tevê, textos de filosofia de negócios e outras situações. Estou falando de 1epifania’.
Não entrarei no sentido religioso da palavra, mas em sua utilidade para o dia a dia, especialmente para pessoas que se interessam por falar a coisa certa no momento certo – que o o seu e o meu caso, não?
    Epifania é uma súbita sensação de entendimento ou compreensão da essência de algo. Indica que alguém encontrou finalmente ‘a última peça do quebra-cabeça’ e agora pode ver a imagem no todo. De um modo simples: é quando um pensamento inspirador e iluminante acontece.
    Na língua inglesa, você ouvirá alguém dizer: “I just had na epiphany”, ou “Eu acabo de ter uma epifania”, indicando que neste instante o ocorreu à pessoa um pensamento considerado único, de uma natureza quase sobrenatural.
E se você deseja aumentar as suas chances de viver não uma, mas várias epifanias, compartilho a experiência pessoal.
    Eu aprendi com os meus acertos e erros – que são muitos – que nós somos o que pensamos. Desde então, mudei a mensagem interior da minha mente por algo constantemente energizante e inspirador. Abandonei a tendência ao negativo. Foi difícil no começo, mas consegui.
    Um excelente começo consiste em apreciar as coisas boas e positivas que tivemos ao longo da vida. Nem tudo foi bom, eu sei. Porém, os melhores momentos não servem só para deixar saudades, mas são grandes mestres para o tempo presente.
       Adicione a isso a leitura de livros inspiradores, palestra – há tantas excelentes no Youtube – bons programas de tevê, rezar, conversar com pessoas sábias, tudo isso são engrenagens de um mesmo sistema que, juntas, produzirão uma pessoa melhor em cada um de nós – se fizermos disto um hábito. Em resumo, pare de sofrer com ideias negativas. 

       Pois bem. Agora que você já sabe o que é epifania, resta-me apenas desejar que ela não falte a cada decisão que você desejar ou precisar tomar – seja na vida ou nos negócios. (Fonte: Crônica de ABRAHAM SHAPIRO, consultor e coach de líderes em Londrina, FOLHA EMPREGOS & CONCURSOS, coluna ABRAHAM SHAPIRO, segunda-feira, 24 de julho de 2017, publicação do jornal FOLHA DE LONDRINA).       

DESCONTO NAS TARIFAS DE PEDÁGIO


      Moradores de Mandaguari, Arapongas e Marialva conseguiram, após uma série de protestos, que fossem firmados acordos entre concessionárias de pedágios e prefeituras para redução e até isenção de tarifas. Outras duas cidades, Rolândia e Apucarana, se mobilizam para iniciar negociações. Está aí o exemplo de que a mobilização popular pode, sim, conseguir avanços. Os desvios de pedágio foram determinantes para chamar a atenção do descontentamento de quem mora em uma cidade diferente daquela em que trabalha e no meio dos dois municípios existe uma praça de pedágio. Foi o que aconteceu recentemente em Arapongas, quando os moradores começaram a usar a “Estrada do Ceboleiro” como desvio da BR-369. Depois da concessionária que administra o trecho impedir várias vezes o acesso, prefeitura e empresa entraram em acordo. Para cruzar a praça entre Arapongas e Rolândia é necessário desembolsar R$ 8,20. Com o acordo, a população de Arapongas conseguiu condições diferenciadas de pagamento. Quem tem um veículo de passeio emplacado naquele município e precisa passar pelo pedágio com frequência para estudar, trabalhar ou fazer tratamento médico pode solicitar o desconto e começar a pagar R$ 1,70. Em Mandaguarí, a mobilização começou antes, em março. O acordo é diferente. Quem tem carros com placa de Mandaguari tem desconto de 80% e paga R$ 1,64. E os motociclistas desembolsam R$ 1. Esse tipo de desconto está previsto nos contratos de concessão e podem ser concedidos sem interferência do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná. As concessionárias podem conceder descontos tarifários e realizar promoções, com redução em dias e horas de baixa demanda, sem que isso possa gerar qualquer direito de a empresa solicitar compensação nos valores cobrados. Os acordos de concessão das rodovias do Paraná foram firmados em 1998 e valem até 2021. São quase 20 anos de cobrança para somente agora, no final do contrato, os descontos começarem a ser praticados. O brasileiro desconhece direitos e o poder da negociação e da mobilização social. É importante perceber o quanto uma sociedade pode conquistar quando a população e as entidades representativas se unem em busca de um objetivo comum. (OPINIÃO, página 2, segunda-feira, 24 de julho de 2017, publicação do jornal FOLHA DE LONDRINA).

domingo, 23 de julho de 2017

NOVAS REGRAS PARA DISTRATOS NO MINHA CASA, MINHA VIDA

Portaria determina reincluir o imóvel no PMCMV para destinar a outra família com o perfil do programa, selelecionada pela  prefeitura

   Desistência do beneficiário, descumprimento contratual, ocupação irregular, desvio de finalidade e inadimplemento estão entre os casos em que a rescisão é assegurada pela norma

   O Ministério das Cidades publicou, no Diário Oficial da União, na quarta-feira (19), a portaria nº 488, que dispõe sobre a regulamentação da rescisão dos contratos de beneficiários de unidades habitacionais, com recursos financeiros pelo FAR (Fundo de Arrendamento Residencial) no âmbito do PNHU (Programa Nacional de Habitação Urbana) integrante do Programa Minha Casa, Minha Vida. 
   A medida regulamenta os distratos (rescisão do contrato) e substitui a portaria nº 606, de dezembro do ano passado.
   Pela nova norma, pode ocorrer distrato nos casos de desistência do beneficiário, descumprimento contratual, ocupação irregular, desvio de finalidade e inadimplemento com as prestações da compra e venda por solicitação do beneficiário. 
   Nos casos previstos na Portaria, após a assinatura do termo pelo beneficiário, a unidade habitacional retorna para a propriedade do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) que deverá reincluir o imóvel no PMCMV para destinar a outra família com o perfil do programa, selecionada pela prefeitura. 
   A portaria assegura ainda que o contrato também pode ser rescindido quando a moradia for invadida após a assinatura do contrato, ou em casos de ruptura familiar em função de violência doméstica ou ainda, nos casos de medida de proteção à testemunha.
   Nestes casos, o titular do contrato poderá ser beneficiado com outra unidade habitacional, independentemente do registo Cadastro Nacional de Mutuários (Cadmut) referente ao imóvel distratado. Os valores das prestações pagos, assim como o prazo, deverão ser deduzidos do novo contrato. 

Os contratos só podem ser rescindidos por solicitação do beneficiário, e com os seguintes resultados

1. Seja formalizado pelo beneficiário o pedido na instituição financeira contratante, informando o(a) motivo(s) da desistência;

2. O requerimento do beneficiário tenha a ciência do ente público responsável pela seleção da demanda;

3. Todas as obrigações e encargos relativos ao contrato e ao imóvel estejam em dia; 

4. O imóvel não esteja em situação de ocupação irregular;

5. O imóvel seja restituído nas mesmas condições físicas em que se encontrava à época da contratação;

6. Todas as obrigações, despesas, custas cartorárias e encargos relativos à rescisão sejam arcadas pelo beneficiário. (FONTE: REPORAGEM LOCAL, FOLHA CLASSIFICADOS, 0800-400-7636 www.folhaclassificado.com.br IMOBILIÁRIA, 22 e 23 de julho de 2017, publicação do jornal FOLHA DE LONDRINA).

Comente!

Comente!

.

.

.

.

Comentários

Wanda Cobo

"Maravilha meu amigo, continue nos deliciando com suas ideias." W.D Londrina-Pr


Adilson Silva

Olá Professor José Roberto, Parabéns pelas excelentes matérias , muito bom conhecimento para todos. muita paz e fraternidade. Londrina-Pr

Marcos Vitor Piter

Excelentes e Sabias palavras parabéns Professor um Abraço dos Amigos de Arapongas - PR.

João Costa

Meus parabéns por vc e por tudo que pude ler continue levando este conhecimento p/ todos. Forte abraço! João Batista.
--------
Meu amigo continue contribuindo com a sua sabedoria. Forte abraço... João Batista 31/10/2013
Daiane C M Santos
Parabéns, muito criativo e inteligente!
Zeze Baladelli
Oi meu amigo,entrei seu blog,parabéns querido,voce é um gentleman,um grande amigo e muito inteligente,desejo que Deus te abençoe mais e mais...super beijo...



MARINA SIMÕES

Caro amigo Roberto, muito obrigada por suas sábias e verdadeiras palavras. Como é bom encontrarmos no nosso dia adia pessoas que comungam nossas idéias, nossas críticas, ou mesmo comentário sobre determinados assuntos. Eu procuro escrever e mostrar mensagens de
fé, de esperança, ou mesmo um alento carinhoso para nós que vivemos um mundo tão cruel, egoísta e caótico. Estou tentando escrever um comentário sobre seus textos. Parabéns, eu os tenho como que a "arquitetura" com as palavras. É um estilo totalmente seu, e meu amigo é simplesmente estimulante. Ele nos faz pensar e isto é muito bom. Um grande abraço. Marina.



JOÃO RENATO
Aqui estou eu novamente é impossivel não entrar aqui para vê estas maravilha por vc postada. Forte abraço do seu amigo hoje e sempre...........

ADALGISA
Parabéns! meu amigo querido!!!Adorei seu blog, mensagens lindas e suaves como a tua persoalidade e seu jeito de ser!!!Abraços e beijos.
TIAGO ROBERTO FIGUEIREDO
Parabéns professor José Roberto seu blog está divino..abs !
JAIRO FERNANDES
Olá, Querido Professor José Roberto! Fiquei muito emocionado com suas mensagens postadas, gostaria muito de revê-lo novamente após muitos anos, você fora meu professor e tenho muita saudade, gostaria que enviasse-me o seu endereço.ʺ Deus te ilumine sempreʺ Pois fazes parte de minha história de vida.
ALICE MARIA
Oi tio.Muito lindo seu cantinho na internet. Tô de olho. Lembro também de algumas coisas lá da Serra, principalmente da venda do vô Rubens. Beijo ,Alice Maria.

WANDA COBO

WANDA COBO

Postagens populares